Buscar

Anfisa Letyago: “Nunca abandonei minhas raizes – minha música evolui assim como eu.”


Parece que nada pode parar a ascensão meteórica da produtora, DJ e chefe da gravadora Anfisa Letyago, e neste outono ela está voltando para Malta para o Drumcode Festival.


O sorriso e olhos brilhantes de Anfisa Letyago é conhecido em todo o mundo. De Ljubljana a Las Vegas e Enschede a Ibiza, seu rosto alegre corta a escuridão como um farol, sinalizando que a pista de dança é um espaço seguro.


Letyago comanda os decks em todo o mundo, fornecendo sua visão pesada e diversificada da música clubber. Como todos os outros DJs, ela tirou uma folga durante a pandemia, mas agora está passando por uma agenda rigorosa de turnês, digna de a artistas de verdadeira presença internacional.


“Estou extremamente feliz em ver que tudo voltou a funcionar, e espero que seja para sempre”, diz Letyago . “Estou vivendo um período muito criativo e de desenvolvimento da minha carreira. Tenho muitos projetos empolgantes que me permitem olhar para um futuro mais amplo e espero ter a chance de compartilhar minha história para um número cada vez maior de pessoas.”



Letyago compartilha sua história através de todas as suas atividades dentro da música. Além de seus sets como DJ, suas produções originais e remixes estão em selos consagrados como Kompakt, Drumcode e Herzblut Recordings.

Letyago também tem sua própria gravadora, N:S:DA (leia-se “Nisida”, em homenagem a ilha italiana de mesmo nome) que abriga muitos de seus trabalhos mais pessoais e ecléticos, como seus EPs, N:S: DA e Listen . Sua gravadora que inclusive, começou a contratar novos talentos, incluindo Durosai, da Flórida.


“Ao selecionar lançamentos futuros, deixo meu instinto me guiar. Quando sinto vibrações e emoções fortes, sei que é algo compatível com meu selo”, diz Letyago. “ N:S:DA é um projeto que nasceu com o objetivo de contar histórias de sentimentos – meus sentimentos – no início.”


Apesar de seu sorriso acender e iluminar as almas dos clubbers dos seis continentes, a história de Anfisa Letyago começa em um dos cantos mais frios e sombrios do planeta.

Letyago nasceu em Mirny, uma pequena cidade localizada na Sibéria, na Rússia, onde é escuro durante nove meses do ano. Com as interações sociais limitadas pelo clima e pela pequena população, ao crescer ela costumava passar as tardes ouvindo rádio.

Imagem: Tommaso Napolitano


No frio congelante dos invernos aparentemente intermináveis, Letyago ouvia músicas de artistas do mundo todo, como Linkin Park, The Prodigy e Massive Attack , mas também da dance music como Tiësto e Paul Van Dyk. Através da música, Letyago teve uma visão de um novo mundo.

“Todos nós somos o resultado do que fizemos e vivenciamos no passado. Nascer na tundra siberiana obviamente me influenciou e parcialmente me levou ao que sou hoje”, diz Letyago. “Quando eu era muito jovem e ouvia música no rádio, ficava imaginando o que realmente me tornei hoje. Então, sim, ouvir rádio era como uma janela para outro mundo – aquele mundo em que eu queria viver.”


A família de Letyago também a inspirou em sua jornada para este novo mundo da música. Seu pai tocava baixo em uma banda de rock e sua avó tinha uma coleção de vinis. Juntos, Letyago e sua avó ouviram vários gêneros diferentes, mas a influência de sua avó foi mais profunda que a música.

“Minha avó é como uma mãe para mim, eu passava muito tempo com ela. Ela é adorável, uma mulher de grande sentimento e amor”, diz Letyago. “Acima de tudo, ela me ensinou a respeitar a vida, um dos ensinamentos mais importantes que eu tive. Eu nunca vou esquecer isso.”

E Letyago nunca esqueceu. Respeitar a vida é desfrutá-la, e Letyago certamente está aproveitando seu tempo viajando pelo mundo como artista profissional. A avó também a ajudou nessa jornada através de sua vasta coleção de discos.

Ao ouvir artistas estrangeiros como Al Bano, o lendário tenor italiano, com sua avó em vinil, Letyago se apaixonou pela língua italiana e, aos 17 anos, mudou-se para a cidade de Nápoles. A cidade que ela chama de lar até hoje e a cidade onde ela lançou sua carreira.



Imagem: Tommaso Napolitano


Foi no Naples' Duel Club em 2009, quando Letyago fez seu primeiro grande show para mais de 2.000 pessoas. E, embora ela se lembre de estar bastante nervosa e até de esquecer o próprio nome, essa foi a primeira vez que milhares de pessoas viram o mesmo sorriso que ela traz a cada show.


Nos anos que se seguiram, Letyago estava radiante em festas por toda Nápoles, depois se expandindo para Roma e Milão, depois para outros hotspots europeus como Amsterdã e Ibiza.


Letyago foi DJ profissionalmente por oito anos antes de lançar seu primeiro lançamento oficial em 2016, uma collab com Leroy Styles intitulada Stop Talking , lançada pela Spinnin' Records.

O catálogo de Letyago demostra seu amplo gosto, encontrando espaço em selos como Natura Viva, Nervous Records e Intec Digital, este último de propriedade da lenda da dance music e mentor de Letyago, Carl Cox .

A história de como Letyago e Cox se conectaram pela primeira vez é agora um conto folclórico no reino da dance music. Após seu primeiro encontro na Sicília em 2018, ela deu a ele um USB com sua música antes de um show


Momentos depois, ele estava tocando a música dela para seu público principal. Logo depois ele ofereceu a ela um lançamento na Intec Digital e prometeu colocá-la na programação do Ultra Music Festival 2020 na Carl Cox Megastructure.

Cox teve que esperar até 2022 por causa da pandemia, mas cumpriu a promessa e Letyago foi o primeiro artista a tocar na estrutura durante todo o final de semana.


Imagem: Tommaso Napolitano


“Carl e eu nos tornamos bons amigos. Conversamos com frequência e ele sempre me diz o quanto está feliz por tudo que conquistei até agora, me lembrando de continuar assim e ser fiel a mim mesma”, diz Letyago.

A conexão com Cox ajudou Letyago a elevar sua carreira ao cenário internacional que ela está desfrutando hoje. Como muitos de seus colegas, ela está encontrando tempo para produzir novas músicas na estrada, levando o sintetizador portátil MicroFreak de Arturia com ela quando viaja.


Quando ela está em seu estúdio caseiro em Naples entre as execuções de shows, ela usa o Logic Pro e emprega uma grande variedade de sintetizadores e plug-ins. Em Listen , faixa que lançou seu selo em 2021, ela usou os sons clássicos do TR-909 ao lado de sintetizadores virtuais modernos, como o Predator de Rob Papen .



Imagem: Tommaso Napolitano


“Hoje, minhas produções são mais complexas e certamente caracterizadas por maior precisão técnica, mas nunca abandonei minhas raízes”, diz Letyago. “Minhas produções evoluíram assim como eu.”


A evolução de Letyago continua em 2022, enquanto ela se prepara para a primeira temporada completa de festivais desde 2019. Ela já está agendada para o Sónar em Barcelona, ​​Exit Festival na Sérvia e uma série de datas em Ibiza. Mas um show particularmente especial será a estreia do Drumcode Festival em Malta em setembro.


O evento originalmente deveria estrear em setembro do ano passado, mas o COVID-19 forçou um adiamento. Como muitos dos artistas, Letyago foi agendada para a data original no ano passado e manteve sua vaga para 2022.


“Malta é uma cidade encantadora, estive lá no ano passado e fiquei fascinada. É sempre um prazer tocar com o Drumcode, especialmente considerando que uma das minhas primeiras faixas que lancei foi desse gênero. É uma ótima lembrança e gostei muito de trabalhar com esse grupo fantástico de pessoas”, diz Letyago.

Esta não será a primeira vez de Letyago em Malta – ela fez um set para Cercle em julho de 2021 na The Saluting Battery, uma antiga bateria de artilharia do século XVI. Mesmo montada em armas de guerra, ela ainda encanta com seu sorrindo de orelha a orelha.


post original musictech